pessoal

Roman Holiday

Estou cheia de saudades da cidade mais charmosa que conheço, por isso hoje escrevo sobre Roma. Conto-vos dois momentos em que percebi que a capital italiana seria para mim mais do que um destino de férias e que estava, definitivamente, num país tão romântico como intemporal.

Em finais de fevereiro, no primeiro dia dedicado a Roma, vi uma rua muito pitoresca, tipicamente italiana, quando saímos do hotel. Decidimos ir por essa rua, em vez de ir pela principal, e quando cruzámos a esquina vimos o Coliseu. Estava mesmo ao fundo dessa rua, que era perpendicular àquela muito bonita, e parecia muito pequeno – a princípio nem acreditámos que fosse mesmo o Coliseu. Descemos a rua e assim começou a nossa aventura em Roma, com a espontaneidade desta cidade a surpreender-nos no primeiro minuto.

A certa altura, nessa rua, passámos por uma praça muito pequena, com uma fonte e alguns restaurantes. Abrandámos o passo para admirar a praça e vimos aquele que, para mim, foi o momento que me fez perceber que o meu coração tem qualquer coisa de italiano: uma senhora idosa abre as portadas da varanda, como quem diz bom dia à rua onde morou desde sempre, espreita cá para fora, como quem se lembra de como aquela rua era há cinquenta anos, e regressa para dentro, como quem tem demasiado para fazer para ficar ali a admirar os quinhentos metros até uma das novas sete maravilhas. Foi um momento digno de um filme, com violino em fundo.

Um segundo momento em que senti que la vita è bella foi na minha última viagem, em setembro. Na Piazza Navona, que é a minha praça favorita em Roma, apesar de muitos turistas, uma banda tocava com um violoncelo, num canto da praça. Os senhores estavam super animados, como se fossem as pessoas mais felizes do mundo a fazerem o que fazem – e porque não? Fiquei a apreciar, meteram-se comigo, agradeci o momento e segui caminho. Naquele instante, aprendi que quero viver de momentos como aquele, em Itália – que quero conhecer tão bem como o meu próprio país – e em qualquer lado do mundo. A essência do sentimento de viajar definiu-se ali, num momento tão simples e igualmente inspirador. Se me pedissem para me definir num lugar neste mundo, diria alguma rua em Roma. Sou absolutamente apaixonada por cada canto e regressaria amanhã, sem hesitar.

Conhecem a città del mio cuore? Quais as histórias que mais vos apaixonaram pelas cidades que conhecem? Arrivederci!

A tal rua muito pitoresca e a segunda rua, perpendicular à primeira, com o Colosseum ao fundo.

Inês Nobre
Um blog sobre muito do que melhor me define, que une as minhas formas prediletas de me expressar: a moda e a escrita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *