viagens

Viagens | Memórias de Nova Iorque

one year later, still playing Billy Joel’s New York State Of Mind in the background

Nova Iorque. Lembrem-se do vosso primeiro sonho – daquele primeiro momento em que se apercebem de que existe algo transcendente, que se revela superior a qualquer outra vontade. Nova Iorque. Lembrem-se do vosso primeiro propósito – daquele primeiro cenário pelo qual desistiriam de todos os outros, pelo qual nutrem um sentimento que não conseguem equiparar a nenhuma outra possibilidade, por muito boa que pareça. Há um ano, estava a caminho da minha cidade. Nova Iorque conquistou-me no primeiro segundo. Na verdade, conquistou-me há muitos anos, pelo pequeno ecrã da minha televisão, nos filmes que mostravam as ruas da cidade onde parece não haver impossíveis. Continuo sem encontrar palavras para descrever a sensação de andar pelas ruas de Nova Iorque. Sinto que pertenço. Sinto que posso ser quem quiser. Sinto que consigo conquistar as mais difíceis conquistas. Sinto que todos os meus sonhos estão ali, à minha espera. Sinto que estou de regresso ao meu caminho, a quem sou, a quem quero ser.

Nova Iorque recebeu-me de braços abertos, como se estivesse à minha espera, como se me dissesse finalmente chegaste. Não existe destino que melhor encaixe como cenário dos meus sonhos, dos meus propósitos. Não existe destino com que mais me identifique – os sons da cidade a despertar pela manhã na 5th Avenue, o movimento dos transportes no caminho para o trabalho rumo ao Financial District, o alvoroço nos largos passeios de Times Square, a calma num almoço entre colegas em Midtown depois de uma manhã atarefada, a descontração numa pausa a meio da tarde no Washington Square Park, o conforto numa conversa entre amigas(os) num dos cafés da Village, a diversão numa saída à noite na Broadway, o requinte num jantar no Upper East Side. Se fosse cidade, seria Nova Iorque. Não existe destino que mais chame por mim.

Tenho saudades, Nova Iorque. Continuo a sonhar com as mil aventuras, os mil dissabores, as mil conquistas. Continuas a ser a primeira. Sempre foste. Sempre serás.

Inês Nobre
Um blog sobre o que mais me apaixona, como melhor me sei expressar - pela moda e pela escrita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *